Old Dragon Day ’16: personagens prontos e um pouco sobre as raças

Confrades! Neste dia de bons ventos, estamos trazendo para vocês seis personagens prontinhos para uso no #odday16! Este ano a aventura é temática e dá uma pincelada no cenário de Thordezilhas pra gente ter um gostinho antes dele chegar em 2017.

Portanto, trouxemos um pouco sobre as raças deste mundo aventuresco de piratas e mosqueteiros, compilado pelo Rafael Beltrame, nosso editor de Old Dragon. Não se preocupe que é possível compreender perfeitamente o que está na ficha de cada personagem sem ler isto, mas conhecimento nunca é demais, certo?

Então, pegue os personagens prontos clicando aqui e fique com uma palhinha deste super cenário repleto de perigos e aventuras!

anike-fnÉbanos

Tradicionalistas e de valorosa honra, os ébanos são uma raça forte e destemida, extremamente intensos naquilo que sentem. Taciturnos e fechados, por vezes decidem que alguém lhe é de confiança, e dignos de ouvirem seus relatos aventurescos.

Sua pele é muito mais rija que o normal, e junto com o tom escuro, conferem à raça lendas e crendices sobre sua origem. “Filhos das Rochas” e “Prole Vulcânica” são alguns termos comuns de se escutar nos portos. Esta última, aliás, provém do fato de serem imunes ao fogo comum (o dizer “melhor que um ferreiro ébano” não existe ao acaso).

Acostumados com todo tipo de comércio, ébanos são especialistas em descobrir se uma mercadoria é falsa ou verdadeira. Muitos são contratados por lordes e colecionadores ricos por conta desta habilidade (somando, claro, à natureza musculosa e avantajada que possuem).

Medindo cerca de 2 metros, estes gigantes possuem a pele escura como a ônix, olhos que variam do negro ao verde, e cabelos brancos, pretos ou ruivos.

burtonPucks

Feéricos diminutos, dotados de grande agilidade costumes exóticos, os pucks constituem uma das mais notáveis raças Alexandrinas. Medindo por volta de 1 metro, estes pequeninos sabem usar muito bem seus pés (que se assemelham em aspecto e uso à mãos) em tudo que lhes diz respeito: comer, pungar, e claro, galantear.

Festivos, curiosos e impacientes (um mistura perigosa!), falam tão rápido que até hoje algumas pessoas creem que pucks possuem uma língua própria. Independente do amor ao perigo, pucks dificilmente vivem mais de 30 anos. Suas famílias são imensas, e extremamente respeitosa e cuidadosa com seus anciões. Pucks adoram coleções, sendo comum dedicarem a vida para colecionar diversos tipos de itens, que variam desde objetos vulgares como colheres e penas, até bizarrices como olhos de animais e textos proibidos. A maioria das suas coleções não possui valor comercial, funcionando apenas como uma forma de status, de uma forma de serem lembrados em sua sociedade.

Sua crença nos deuses é deveras politeísta, de forma que não é incomum rogar algo à deuses que ninguém mais ouviu falar (“deus da esquina”, “deusa das frutas com caroço” e “deus dos pelos faciais” são apenas exemplos. Em meio à miríade de divindades, algumas por motivos desconhecidos decidem escutar suas preces, o que torna os pucks um caso de estudo entre sacerdotes e demais membros do clero.

marinkaSereianos

Sereianos são seres de beleza extraordinária, de aspecto misteriosamente humano. Isso, claro, até que se molhem abundantemente e sofram a mutação característica da raça: suas pernas unem-se em um rabo de peixe, e guelras despontam de seu pescoço. Imbatíveis no mar, possuem um grande conhecimento de navegação, o que favorece o ofício de marinheiro.

Muito se fala da personalidade lasciva destes seres, que são tão atraídos pelo prazer quanto um pirata é por tesouros. Seu coração vaidoso e cheio de si não permite espaço para o amor verdadeiro, assumindo paixões avassaladoras tão velozmente quanto delas enjoam. Não é raro julgarem que corações são mais valiosos de se conquistar do que ouro, e parti-los parece ser uma forma de expor aos outros suas conquistas.

Seu sistema respiratório misto faz com que sejam completamente ausentes do sentido olfativo, de forma que vez ou outra passam por constrangimentos ao fingirem prazer ou desgosto por coisas simples, como a grama após a chuva ou uma boa torta de carne.