“Otimizando” seus personagens

Saudações aos amigos do Redblog! Muitas vezes, quando rolamos os atributos para um novo personagem, dificilmente chegamos aos valores otimizados para o que temos em mente. Mas, a grande graça do RPG, principalmente no Old Dragon com sua filosofia Old School, está em lidar com essas restrições e se divertir com um personagem que, se não é um super herói capaz de feitos prodigiosos, é capaz de escapar das mais diversas situações com garra, determinação e um pouco de inteligência.

O que estou sugerindo neste post, é uma reflexão dos jogadores e do mestre quanto à real aderência de um personagem na mesa com os valores estampados na ficha do mesmo. Ou seja, será que estou interpretando de maneira adequada esse ladrão com INT 8? Recentemente passei por isso em uma mesa de Old Dragon que estou jogando via Google Hangout + Roll20. Criei um homem de armas que tinha um valor de INT 7. Até aí sem problemas, afinal de contas, mecanicamente não era necessário para meu personagem um valor alto em inteligência. Porém, depois de algumas sessões, acabei percebendo algo que me incomodou. Durante as sessões, meu homem de armas tinha mais ou menos assumido um papel de líder, e acabava tendo algumas idéias e estratégias que não combinavam com aquele valor 7 em INT. Incomodado com isso, propus ao mestre que eu fizessemos um “rearranjo” nos atributos do personagem, para que eu pudesse subir aquele valor de INT. Em comum acordo com os outros jogadores, deixei meu personagem com um valor 10 em INT, ao custo de CAR e um pouco de SAB.

Será que esta foi a melhor solução para a situação apresentada? Não sei. Mas no contexto de nossa mesa, essa alteração não mudou praticamente nada em relação às mecânicas do jogo. Mas em relação à interpretação, me deixou mais confortável com a personalidade do homem de armas com o qual estava jogando. Não me parecia mais tão incongruente alguém com INT 10 “liderando” o grupo e bolando estratégias.

Se por algum motivo, o mestre ou algum dos outros jogadores não concordassem com esta abordagem do problema, talvez eu tivesse que me “conformar” e me esforçar para interpretar o personagem de maneira condizente com os valores na ficha. E isso não é uma coisa ruim. Afinal de contas, o principal em uma sessão de RPG, a outra regra de ouro que existe, é que as pessoas se divirtam jogando. E apesar dessa questão eu estava me divertindo.

“Otimizar” os valores de atributos de seus personagens pode ser adotada em suas mesas, dependendo da motivação, como na situação que expliquei anteriormente. Evite querer trocar os valores dos atributos pensando em vantagens mecânicas, como por exemplo aumentar sua FOR para garantir um bônus maior no ataque e no dano. A questão aqui é buscar uma melhor interpretação do seu personagem, garantindo uma melhor experiência de jogo.

Como sugestão, explique para o mestre e os demais jogadores da mesa o porquê de querer adaptar os atributos de seu personagem. Caso todos concordem com a alteração, a maneira mais simples é trocar os valores de atributo, na proporção de um para um. Talvez o mestre peça alguma interpretação dentro do jogo para justificar aquela alteração, gerando novas oportunidades de ganchos para aventuras.

De qualquer forma, “otimizar” uma ficha para deixar um personagem mais interessante para ser interpretado não pode ser considerado prejudicial para suas mesas. Evite apenas usar esse tipo de artifício buscando um personagem “combado” que vai ter mais vantagens mecânicas em relação aos outros. E não se esqueça nunca que o principal objetivo quando nos sentamos em uma mesa de RPG, seja física ou virtual, é se divertir junto ao seu grupo.